Poemas

  • Anor Cão | Dog Love [PT/EN]

    Anor Cão | Dog Love [PT/EN]

    Não sei porque é que os diasde canícula se chamam assim A escrita é um cão a ganir à porta que se abrepara lhe dar mimos, o agasalha à lareira comum osso farto e tanto o escorraça, mesmo se énoite e uma carnificina de neve lhe imobilizaas mandíbulas. O cão escava fundo e tapa, ou […]

    Ler mais

  • Poemas do Gado do Senhor | Cattle of the Lord [PT/EN]

    Poemas do Gado do Senhor | Cattle of the Lord [PT/EN]

    Via Sacra The seed spreads its arms beneath the earthand you are born to the light, your gaze attentiveto the very branches. Sweetness of greenthat warmth ripens: it is pregnant with thirstthat you conceive fruit.May the mantle of your shadowbe immaculate. So be itwhile the trunk thickensyear by yearagainst the heatagainst the cold that divests […]

    Ler mais

  • Alguns poemas

    Alguns poemas

    PASSOS SEM MEMÓRIA Olho pela janela e não vejo o mar. As gaivotasandam por aí e a relva vai secando no varal. Manhã cedo,o mar ainda não veio. Veio o pão, veio o lumee o jornal. A saliva com que te hei-de dizer bom dia.As palavras são as primeiras a chegar. O que fica delasamacia […]

    Ler mais

  • Poesie in lingua Italiana (IT)

    Poesie in lingua Italiana (IT)

    ARTE POETICA Mi piacerebbe iniziare con una domanda oppure con il semplice fatto che le rose che si vedono da qui entrano nella poesia. Cos’è allora una poesia? un tessuto di orifizi da cui entra il corpo seduto a tavola e il modo con cui le rose mi sbirciano dalla finestra? Fuori un giardiniere lavora, […]

    Ler mais

  • Some Poems [EN]

    Some Poems [EN]

    STEPS WITHOUT MEMORY I look out the window and cannot find the sea. Gulls are flying about and the lawn is drying on the line. Early morning, the sea has not yet come. The bread has come, the flame, too, and the newspaper. The saliva of my morning greeting. Words were the first to arrive. […]

    Ler mais

  • Quelques poèmes [FR]

    Quelques poèmes [FR]

    DES PAS SANS MEMOIRE Je regarde par la fenêtre et ne vois pas la mer. Les mouettes volent çà et là et l’herbe sèche sur l’étendoir. Le lendemain très tôt, la mer n’est pas encore arrivée. Sont arrivés le pain, le feu et le journal. La salive avec laquelle je vais te dire bonjour. Les […]

    Ler mais

  • Algunos poemas [ES]

    Algunos poemas [ES]

    PASOS SIN MEMORIA Miro por la ventana y no veo el mar. Las gaviotas andan por ahí y la hierba se va secando en el tendal. Mañana temprano el mar aun no llegó. Llegó el pan, llegó el fuego y el periódico. La saliva con que te diré buenos días. Las palabras son las primeras […]

    Ler mais

  • Dois Poemas para Freimáticos

    Dois Poemas para Freimáticos

    LÁBIO VERTICAL EM SI (1 m e 12 -20 seg)) Uma sílaba ao canto do nome: si.Assim é no alto antes de cair no dó.Apogeu e promessa de ré. Eterno retorno.Piedade, ré activo. Mas o lá,a distância que me funda, lá é sol,lá entre mim e mi. Fá-la fala de uma vez.

    Ler mais